Compro Brasília ano 88

 Longe de mim falar mal do mestre. Moro no edifício JK, um Oscar Niemeyer ano 68 e não me canso de admirar o quanto suas soluções são engenhosas e surpreendentes. Apesar da má execução do prédio (fruto dos percalços da obra) e da reforma atual, pouco criteriosa, ele resiste bem e não faz má figura. O conjunto da obra de Oscar é admirável e não restam dúvidas de que ele é hoje o mais importante arquiteto vivo, mundialmente. Ele é a arquitetura brasileira mesma, uma força da natureza.

 

Brasília por exemplo, quem a pela primeira vez se depara com algo que seria impossível imaginar se alguém lhe descrevesse ou mesmo por fotos. Lucio Costa e Oscar imaginaram e está ela. Ano 61, bom estado de conservação, pouco rodada, placa preta. Tombada pela Unesco como Patrimônio da Humanidade, assim como está. Imagino um oficial estrangeiro chegando a Brasília e sendo recebido no irretocável (fora os toldos na porta) Palácio do Itamaraty. Sendo levado até a Praça dos Três Poderes ainda meio sem entender o que está acontecendo. Admira pela janela do carro o tapetão verde bandeira que conduz a perspectiva da Esplanada dos Ministérios até o Congresso, lábaro da soberania nacional. Concebido por Lucio Costa como espaço livre e público, prescinde do obelisco proposto por Oscar para cobrir o estacionamento, este sim necessário, diga-se de passagem. Não o esqueçam, acredito que a verba do Arruda deve dar e tenho certeza que Oscar irá nos apresentar um estacionamento mais espantoso que o de Zaha Hadid. O Panteão da Pátria, junto aos três poderes, poderia muito bem abrigar o tal Memorial dos Presidentes, que seu uso é mesmo meio indefinido.

 

Por outro lado, é triste constatar que o caimento suave encontrado por Oscar na curva da Oca não encontra par na recente e mais bombada cúpula do Museu Nacional, desproporcional ao lado da delicada Catedral. Diante da magnífica criação de Oscar para o MAC de Niterói, a péssima execução denota talvez uma maior distância do arquiteto da execução da obra. Não apenas em seu caso, mas no de todos os arquitetos, tal distância costuma prejudicar bem o resultado final. Igualmente, se em todas as nossas gavetas residem projetos irrealizados, que dirá na de Oscar. Tais projetos, executados sem a devida atenção ou em local impróprio, podem gerar efeitos indesejáveis. Para executar um Oscar, precisamos de Oscar ali, sujando a mão de grafite e o com a poeira da obra.

 

Vejo hoje o Centro Administrativo de Minas subindo e penso ser um erro fazê-lo do modo como aconteceu. Creio que a devida democracia teria sido alcançada, com a antecedência que a construção civil requer, através da promoção de um concurso público de projetos sério. Concurso que escolheria, quiçá, um arquiteto jovem como Niemeyer era quando começou a trabalhar para JK, em Pampulha, onde tudo começou. Sinto perceber que enquanto tivermos os arquitetosoficiais”, contratados por meio do vago conceito do notório saber e chamados sempre que algum de nossos governantes decide fazer uma obra “de última hora”, a arquitetura brasileira não conseguirá avançar muito mais.

 

Talvez devêssemos mesmo fazer um grande obelisco em Brasília, não naquele ponto e não tão contido, mas que possa ser visto do centro do nosso poder e lembre sempre aos que estão de que o povo está bem ali.

 

 

Artigo publicado no jornal Hoje em Dia em 8 de fevereiro de 2009

Anúncios

No comments yet»

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: