Pensar, propor, fazer

Habitualmente o trabalho do arquiteto é executado sob demanda: há uma necessidade construtiva e o arquiteto é chamado. Com a incorporação da profissão de urbanista às suas atribuições, outra realidade vem à tona: a cidade. Diferente de um edifício autônomo, a cidade é um organismo dinâmico e suas necessidades, numerosas e complexas. Nem sempre tais necessidades são claras o suficiente para serem identificadas pelo poder público e os urbanistas se tornam parceiros indispensáveis. Mais do que agentes puramente passivos, seu papel é apontar os potenciais que uma cidade guarda e imaginar soluções para as questões colocadas por este organismo em constante mutação.

Belo Horizonte, 1951. Assumindo o Governo do Estado, Juscelino Kubitschek tem em mente um grande empreendimento. A tarefa de projetá-lo é colocada a cargo do arquiteto Oscar Niemeyer.

“(…) O Conjunto caracterizará a silhueta da cidade e já se prediz que constituirá ele, na imprensa e na tradição oral, a ‘marca registrada’ de Belo Horizonte, ou seja, o que é a Torre Eiffel para Paris ou o Rockefeller Center para Nova York”.
Juscelino Kubitschek de Oliveira
Tribuna de Minas, 1952

O Governo do Estado, avalista moral do empreendimento, planeja edificar um imenso complexo de uso misto, com diversos tipos de habitação e várias opções de lazer e serviços, apto a receber um por cento da população de Belo Horizonte à época. O megaedifício levaria o nome de Juscelino e deveria se tornar um monumento mundial, como feito antes com a Pampulha e posteriormente com Brasília. O empreendimento é lançado e seu prazo de conclusão previsto para 5 anos.

“Algo que ficará como um dos marcos definitivos de Belo Horizonte, singularizando-a entre tôdas as cidades da América do Sul, eis o que será o Conjunto Governador Kubitschek, erguido na Praça Raul Soares, dentro de um espírito novo, que consiste em colocar o bem-estar ao alcance de todos, uma verdadeira coletivização do confôrto.

Esta obra monumental, que será a grande característica da cidade, distingue-se, inicialmente, pelo arrôjo, pela beleza, pela imponência de suas linhas arquitetônicas. Será uma das realizações mais fortes da moderna arquitetura brasileira, hoje tida, em todo o mundo, como padrão a seguir, como escola a parte, pela ousadia de suas concepções, pelo seu inteligente caráter funcional.

(…) Por outro lado, a vida social do Conjunto será animada por outros fatores. No primeiro pavimento estará aberto ao público um Museu de Arte (…) que será a séde possível das atividades culturais da cidade. O museu dará para um jardim suspenso, de grande beleza, seu complemento natural, com vista para a praça.”

Excertos do material de lançamento do empreendimento
Conjunto Governador Kubitschek – Arquitetura e Engenharia, 1953

Diante da dimensão da obra e do custo das técnicas necessárias à sua concretização, uma após a outra, construtoras vão à bancarrota tentando levar a cabo a tarefa de edificá-lo. A construção é interrompida diversas vezes, por longos períodos. Torna-se uma ruína no meio da cidade, com o agravante de sua desproporção diante da Belo Horizonte de então. Um lugar maldito antes mesmo de ser habitado.

Pensado à luz do desenvolvimentismo dos anos 50, as primeiras unidades começam a ser entregues apenas na década de 70, em meio a um regime militar ditatorial. Visando o controle social, os usos culturais previstos são suprimidos e outros bem mais prosaicos ocupam seu lugar. Na última década, uma reforma física começa pouco a pouco a ser feita, mas os usos se mantêm os mesmos do período militar. Principal marco urbano de Belo Horizonte, o Conjunto JK sofre, ainda hoje, o estigma e as conseqüências de sua história.

Convicto da necessidade de uma postura ativa do arquiteto-urbanista diante da cidade, venho trabalhando de forma autônoma em um projeto cujo objetivo é a requalificação do Conjunto JK. Experiências recentes mostram a eficácia deste perfil de empreendimentos na criação de espaços humanamente ricos, no oferecimento de espaços de lazer e cultura para a população e no retorno aos capitais ali empregados. O Projeto de Requalificação do Conjunto JK tem seu foco na adequação ou substituição dos usos das áreas públicas e semipúblicas do complexo, este que se apresenta hoje em BH como o maior potencial não aproveitado de criação de áreas de lazer e cultura para a população. As ações propostas neste projeto são centradas basicamente em três aspectos principais: resgate da integridade física e estética do conjunto; estabelecimento de sustentabilidade econômica e ambiental; resgate do seu caráter público e cultural.

Uma conjunção feliz de fatores em curso vem tornar este projeto mais viável agora do que nunca. A aprovação da reforma da praça Raul Soares no orçamento participativo e o plano de revitalização da área do Mercado Central, por exemplo, tornam a Requalificação do JK continuidade natural destas ações. Conforme a máxima do urbanismo internacional, é uma busca de se pensar de forma global, agindo localmente.

Artigo publicado no jornal Hoje em Dia em 19 de novembro de 2007

Anúncios

No comments yet»

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: